Hugo Hoyama: poucos sabem como ele de raquete e bolinha

Treinador da seleção feminina fala das dificuldades que comandadas terão nas Olimpíadas; pressão e China serão grandes adversários

Hugo Hoyama tem seis participações em Olimpíadas e uma presença nas oitavas de final como melhor resultado

Hugo Hoyama tem seis participações em Olimpíadas e uma presença nas oitavas de final como melhor resultado

Apesar da falta de tradição do Brasil no tênis de mesa, um personagem dessa modalidade é amplamente conhecido no cenário nacional. Hugo Hoyama foi o representante do país em seis edições de Jogos Olímpicos e pode ser considerado o maior nome verde-amarelo de todos os tempos.

Ainda na ativa, com a experiência sendo seu maior trunfo, ele defende as cores do Palmeiras-São Bernardo-SP. As atenções de Hugo Hoyama são divididas com sua atuação como treinador da seleção feminina de tênis de mesa, onde está desde 2013 contribuindo na formação das atletas que estarão no Rio.

O melhor resultado de Hugo foi um nono lugar em Atlanta, em 1996. Será a primeira edição de Jogos após a aposentadoria de Hugo como atleta da seleção, cabendo a quatro nomes (Gustavo Tsuboi, Hugo Calderano, Caroline Kumahara e Gui Lin) a missão de fazer bonito dentro de casa. Mais dois nomes serão escolhidos, no início de junho, para fazer parte da disputa por equipes e, quem sabe, arrancar uma medalha.

Acredito que seja algo possível, até para mostrar o crescimento do esporte. É difícil, a concorrência é grande, mas estarei na torcida, sabendo que é algo que pode acontecer”, projeta Hoyama.

Tirando Hugo Calderano, todos os outros classificados já possuem experiência olímpica. O mais experiente deles é Gustavo Tsuboi, que parte para sua terceira participação nos Jogos. “O trabalho mental é muito importante no tênis de mesa. Esse fator será ainda mais relevante com a competição acontecendo no Brasil, onde teremos a torcida a nosso favor. Será uma pressão maior também. Temos que saber usar isso a nosso favor, aproveitar a energia da torcida para chegar o mais longe possível”, comenta.

O caminho do Brasil dentro das Olimpíadas dependerá muito do sorteio, que definirá os adversários da estreia. No tênis de mesa, o sistema de disputa é por meio do mata-mata. Perdeu, fim da linha.

Sendo assim, será preciso torcer muito para um cabeça de chave não aparecer no caminho dos brasileiros na estreia. “Mas todos têm a obrigação de estar bem-preparados. O que pode nos ajudar também não é nem pegar um jogador de ranking mais baixo, mas sim um adversário em que o estilo de jogo se encaixe”, analisa o treinador.

Domínio chinês

Como é tradição do tênis de mesa, a China chega como ampla favorita para a disputa. Para Hugo Hoyama, a questão cultural pesa muito para a grande diferença de capacidade técnica para os demais países. “Lá, jovens de 6 ou 7 anos já estão em centros de treinamento, pensando no futuro como atleta dessa modalidade. O tênis de mesa é o principal esporte nesses locais. É outra realidade”, compara o treinador.

Além disso, o número de clubes de tênis de mesa é infinitamente superior ao dos existentes no Brasil. “Aqui, essa diferença poderia ser menor se muitas escolas tivessem mesas. É algo simples, não é caro se introduzir um esporte como esse. Dessa forma, as crianças brasileiras teriam acesso à modalidade mais cedo, e o nível certamente seria outro em alguns anos”, sugere Hoyama.

Até lá, o Brasil continuará tendo que usar os confrontos contra as potências como sala de aula para evoluir.

Estilos diferentes

Na equipe feminina, Gui Lin tem um estilo mais asiático. Chinesa de nascimento, ela se naturalizou brasileira em 2012 e é uma das maiores esperanças do país. Já Caroline Kumahara tem um estilo mais parecido com o europeu e tem como característica manter uma distância média da mesa.
No masculino, Gustavo Tsuboi tem a experiência como aliada, com boa capacidade de controle da partida. “É muito difícil ele perder para um atleta que esteja abaixo de seu nível”, pontua Hoyama.

Já Hugo Calderano terá o tempo de treinamento na Europa como suporte. “Ele vem treinando na Alemanha e tem uma boa movimentação de perna, assim como uma esquerda perigosa. Ele chegará bem preparado”, afirma o treinador.

Enquanto Calderano conquistou a vaga sendo campeão individual do Pan-Americano de 2015, os outros três confirmaram presença após o Pré-Olímpico, disputado em abril deste ano no Chile. Os outros dois nomes serão escolhidos de acordo com o critério técnico.

Formato

Enquanto as duas brasileiras devem entrar na primeira rodada, pela classificação no ranking mundial, os dois brasileiros devem ingressar posteriormente na disputa, por terem uma melhor posição na lista. Hugo Calderano deve competir na terceira rodada, e Gustavo Tsuboi ainda tem chances de também estrear neste momento da competição. Os 16 primeiros do ranking entram bem mais à frente. No individual, a projeção é que, no máximo, 86 atletas participem da disputa no Rio.

Fonte: O Tempo

Tags

top