O impulso que faltava! Relembre brasileiros que “estouraram” graças ao Pan

Competição continental é uma enorme oportunidade para atletas ficarem conhecidos

Realizado a cada quatro anos, os Jogos Pan-Americanos são uma ótima oportunidade para os atletas brasileiros brilharem e se tornarem conhecidos do grande público. Alguns dos mais importantes atletas olímpicos brasileiros viveram grandes momentos na disputa continental, caso de Maurren Maggi. Ouro em Winnipeg-1999 logo após quebrar o recorde sul-americano do salto em distância, a campeã olímpica ficou nacionalmente conhecida graças aos bons resultados e ao cachorrinho de pelúcia do qual não desgrudava à época.

A Rainha Hortência e Magic Paula estavam longe de serem anônimas quando conquistaram o Pan de 1991, mas o fato de Fidel Castro ter feito questão de cumprimentá-las pessoalmente após a final as colocou nas manchetes mundiais. A partir daquela data, a seleção empolgou de vez e nos anos seguintes levaria um título mundial, uma prata e um bronze olímpico.

Oscar Schmidt também era razoavelmente conhecido quando chegou para a disputa do Pan de 1987, mas tornou-se ídolo nacional ao comandar a seleção brasileira na histórica conquista sobre os Estados Unidos em plena casa dos ianques. O jogo foi uma balde de humildade para cima dos badalados americanos, que ficaram mais espertos em confrontos contra estrangeiros. Indiretamente, aquele resultado contribuiu para a formação do lendário Dream Team que encantou o mundo na Olimpíada de 1992.

O Pan pode ser importante até mesmo para atletas com carreiras consistentes. Em Santo Domingo-2003, Fernando Meligeni encerrou sua trajetória como jogador de tênis com uma incrível virada sobre o chileno Marcelo Rios na decisão, tornando-se mais popular entre as pessoas que não costumam acompanhar o esporte. Até hoje, o argentino naturalizado brasileiro é símbolo de garra no esporte.

Relembre brasileiros estouraram Pan
E o que dizer de Hugo Hoyama? Maior jogador de tênis de mesa do Brasil, ele ajudou a chamar a atenção para a modalidade com suas dez medalhas de ouro na história do Pan, obtidas desde Indianápolis 1987 até Guadalajara 2011.

Hoyama só foi ultrapassado em número de conquistas por Thiago Pereira. Com três edições no currículo (2003, 2007 e 2011), o nadador virou o “Mr. Pan” ao subir ao ponto mais alto do pódio em 12 oportunidades. Após Guadalajara, ele finalmente conseguiu repetir os bons resultados em competições de porte maior, como Mundial e Olimpíada e é uma das grandes esperanças do Brasil para o Rio 2016.

Thiago Pereira foi o grande nome do Pan-2007, mas quem acompanhou a natação de perto percebeu o surgimento de um outro talento ali. Com três ouros no Rio de Janeiro, Cesar Cielo não foi tão badalado quanto o compatriota, mas brilhou no ano seguinte ao conquistar o primeiro título olímpico da natação do país. Desde então, ele acumulou mais seis títulos mundiais em piscina longa.

Fonte: R7

Tags

top